Lorenzo Jóias
Bem-vindo
Por favor, faça o login ou registre-se.

- Curiosidades

RELÓGIOS MECÂNICOS

Quem nunca teve um especial  interesse por relógios, principalmente modelos mecânicos suíços e alemães, conhecidos como símbolo de precisão e acabamento. Na atualidade, em que todos os bens são projetados para não durar, os relógios mecânicos ainda demonstram uma época em que o cuidado na manufatura de um objeto atingia limites extremos.

Com a dominação dos relógios a quartzo, é impressionante que algumas fábricas ainda se disponham a projetar mecanismos mecânicos extremamente complexos, com uma única função precípua: "marcar o tempo".

Tome-se como exemplo o modelo IWC IL Destriero Scafusia, com mais de setecentas peças, vinte e uma funções, dentre as quais um calendário perpétuo, fases da Lua e um mecanismo para atenuar os efeitos gravitacionais sobre o movimento. A construção do mesmo dura cerca de um ano e é altamente complexa. Tudo isto para obter um relógio menos preciso e infinitamente mais caro que um modelo a quartzo com as mesmas funções. Seu mecanismo representa o máximo em perfeição, tornando-se um desafio para seus construtores e orgulho para seus donos. Preço do modelo: aproximadamente $ 250.000,00 dólares.

O relógio mecânico também demanda cuidados, fazendo com que o dono se apegue ao mesmo. O relógio a quartzo, pelo contrário, não necessita de atenção, quando muito uma troca de baterias. O questionamento dos princípios e mecanismos aplicados ao relógio também é extremamente interessante.

Ajustes freqüentes de data e hora, gastos com manutenção, possibilidade de defeitos... Somente a paixão para motivar as pessoas a desejar um relógio mecânico.


VEJA ALGUNS MODELOS

OMEGA Constellation

O Omega Constellation é conhecido como o relógio produzido em série com o maior número de certificados de precisão emitidos pelo C.O.S.C (instituto suíço oficial de testes cronométricos).

Os observatórios astronômicos sempre tiveram um grande envolvimento com as fábricas de relógios. Da década de 1940 até o fim da década de 1960, promoviam competições árduas com o intuito de aferir o mais preciso mecanismo. Estas competições, que duravam vários dias, eram importantes como estratégia de marketing e venda das empresas. Diversos relógios eram produzidos especialmente para tais ocasiões, visando a mais perfeita performance.

As companhias que mais se sobressaiam naquela época eram a Longines, Patek Philippe, Movado, Zenith e Omega. Para comemorar suas vitórias, a Omega lançou um modelo com nome relacionado à Astronomia, possuindo um medalhão em forma de observatório na sua tampa traseira. Todos os Constellation, como foi chamado o modelo, possuiriam certificados de cronômetro emitidos pelo C.O.S.C (à direita, o primeiro modelo de Constellation, produzido em 1952).

A Omega produziu, na década de 1960, uma série de 100.000 Constellation que não só foram aprovados nos testes do C.O.S.C, como receberam a classificação "aprovado com distinção". Este recorde nunca foi quebrado. Atualmente, de cada 100.000 movimentos enviados ao C.O.S.C, cerca de 2000 a 5000 são reprovados. Naquela época, o índice era de quase 25.000 relógios reprovados em cada série de 100.000.

A Omega, apesar da constante padronização dos ébauches usados em relógios automáticos, continua a modificá-los com o intuito de manter a tradição relativa à precisão e qualidade de suas peças.O atual Constellation, por exemplo, utiliza um ébauche ETA 2892-A2. Seu movimento, no entanto, possui um sistema de carga completamente novo, com a adição de dois rubis, além de acabamentos decorativos e regulagem em 5 temperaturas e 5 posições.


OMEGA Speedmaster

O OMEGA Speedmaster alcançou status cult a partir da década de 60, uma vez que foi escolhido pela NASA como equipamento obrigatório dos astronautas envolvidos no programa espacial norte-americano, que culminou por levar o homem à Lua.

O relógio não foi criado para o uso espacial. Na verdade, foi colocado à venda em 1958, como um relógio cronógrafo capaz de medir velocidades através de uma escala existente em sua caixa.

Os astronautas, no começo do programa espacial, podiam usar qualquer relógio, uma vez que permaneciam seguros dentro das cápsulas espaciais.

Como no projeto GEMINI seriam realizadas "caminhadas espaciais", a situação se alterou. Seria necessário um relógio que suportasse as condições extremas de temperatura e pressão existentes no ambiente externo à nave espacial.

A NASA, assim, determinou os requisitos necessários para o relógio a ser usado pelos astronautas a partir de então: deveria ser capaz de medir pequenos intervalos de tempo, para servir como "back-up" dos relógios existentes no interior da nave e possuir mecanismo de corda ou automático (o primeiro relógio cronógrafo automático, porém, só chegou ao mercado em 1969).

Foram requisitados pela NASA produtos da ELGIN, BENRUS, HAMILTON, MIDO, LUCHIN PICCARD, OMEGA, BULOVA, ROLEX, LONGINES e GRUEN, para realização de uma concorrência.

Várias dessas fábricas, porém, não fabricavam relógios que se adequassem aos requisitos mínimos exigidos, razão pela qual foram selecionados apenas produtos da ROLEX, LONGINES e OMEGA.

Rigorosos testes foram realizados, sendo os relógios submetidos a altas temperaturas, vibrações, descompressão e aceleração.O relógio ROLEX teve seus ponteiros amassados e o LONGINES o vidro quebrado. Apesar de sofrer alterações na marcação de tempo, o relógio da OMEGA resistiu aos testes.

O OMEGA Speedmaster foi então escolhido como relógio oficial para os programas GEMINI e APOLLO, recebendo a designação "Professional" em seu mostrador.

Foi utilizado na superfície lunar, cronometrando o tempo em que NEIL ARMSTRONG e "BUZZ" ALDRIN ali permaneceram.

O interesse pelas viagens espaciais, porém, decresceu bastante após admirável feito.

Uma explosão num dos tanques de oxigênio da APOLLO XIII, contudo, trouxe novamente a atenção do mundo para o programa espacial. Os astronautas ficaram sem energia, tendo se transferido para o módulo lunar anexo à cápsula. A reentrada na Terra só poderia ser tentada uma vez e, com a ausência de eletricidade para o funcionamento dos computadores, deveria ser feita manualmente.

O OMEGA Speedmaster serviu para que JIM LOVELL cronometrasse o tempo de funcionamento dos motores da nave, que quase não mais possuíam combustível. Foi possível alinhar corretamente a nave, permitindo uma perfeita reentrada na Terra ( este fato é retratado no filme APOLLO XIII ).

As demais fábricas começaram a pressionar a NASA, pouco antes do último vôo do programa APOLLO, para que um novo teste de escolha de relógios fosse feito. A americana BULOVA, principal rival da OMEGA, pretendia que seu relógio fosse adotado pela NASA, já que posteriores campanhas publicitárias relacionando o produto aos astronautas poderiam alavancar suas vendas.

A NASA notificou dezessete empresas, dentre as quais OMEGA, BREITLING, BULOVA, ROLEX e SEIKO, para que fornecessem produtos para realização de novos testes. Durante o teste de umidade, o relógio da BULOVA parou três vezes, além de uma vez no teste de aceleração. Foi, portanto, desclassificado, sendo o OMEGA Speedmaster mantido como o equipamento padrão dos astronautas.

Desde o primeiro vôo da COLUMBIA não há mais requerimentos da NASA para relógios adaptados às condições do ambiente espacial, uma vez que os astronautas permanecem a maior parte do tempo no interior da nave.

A OMEGA, porém, lançou recentemente o Speedmaster X-33, "The Mars Watch", que tem sido usado pela maioria dos astronautas.

O Speedmaster, de qualquer maneira, continua a ser o único relógio qualificado pela NASA como adequado ao ambiente espacial, e único item do aparato dos astronautas acessível ao público.

A linha Speedmaster cresceu muito com o passar dos anos, atendendo às exigências do mercado. Atualmente, além da versão "Professional", que foi (e ainda é) utilizada pela NASA, existem modelos automáticos, com ou sem data.

Agradecimento especial a Alan A. Nelson pelas informações difundidas no site Timezone.


LONGINES Avigation Chronograph 

"Há o céu. Continuamente nos chamando, mas fora de alcance. Aquele cativante infinito azul além das nuvens, infinito...

Onde LONGINES acompanhou os maiores pioneiros da história da aviação, quando eles realizaram seus sonhos mais selvagens.

Seus maiores desejos.

Guiados por um insaciável desejo de fuga, para descobrirem novos horizontes e seguirem novos desafios.

E estarem livres, à frente do seu tempo."

Este ensaio, existente no certificado de origem que acompanha o relógio, resume a intenção da LONGINES quando do lançamento da linha Avigation. A LONGINES sempre teve grande envolvimento com a aviação. É importante ressaltar que vários pioneiros utilizavam relógios LONGINES, como CHARLES LINDBERGH (o primeiro homem a atravessar o oceano Atlântico, partindo de Nova Iorque e alcançando Paris), AMELIA EARHART (a primeira mulher aviadora a alcançar feitos históricos) e HOWARD HUGHES (dono da Hughes Aircraft, que em 1930 deu a volta ao mundo em 4 dias).

A LONGINES conseguiu captar o espírito desta época através do modelo Avigation. O relógio é praticamente uma réplica dos cronógrafos dos anos 40, com seus numerais em arábico, mostrador branco, caixa plana e vidro em cristal mineral (a safira foi adotada nos modelos a partir do ano de 2002). Segue a tradição dos clássicos relógios de aviação, como o BREITLING Navitimer (à esquerda).

O relógio possui um movimento Longines L651, baseado no ETA 2894-2, com 28mm de diâmetro, 6,25mm de altura e 37 rubis.

Este movimento possui construção modular e cronógrafo com sistema shuttle. O módulo de carga é baseado no aclamado ébauche ETA 2892-A2, com algumas modificações: folheado a ródio, acabamento perolizado nas platinas e rotor e bordas chanfradas.

O módulo do cronógrafo também é fabricado pela ETA, sendo bastante semelhante àqueles desenvolvidos pela Dubois-Dépraz. Seu funcionamento, porém, parece-me mais impreciso do que os manufaturados pela Dépraz. O acionamento do cronógrafo do Longines Avigation, por exemplo, requer mais força do que no Omega Speedmaster Reduced.

O movimento ETA 2894-2 necessita de ferramentas específicas para sua desmontagem, só encontradas na assistência técnica Longines de São Paulo/SP.

O relógio, apesar disso, é bastante preciso e pode ser facilmente ajustado segundo os parâmetros do COSC.

Créditos: Foto do Longines Avigation por Longines; demais por revista Orologi.


Swatch Irony Automatic

Com a popularização dos relógios a quartzo, ocorrida a partir da década de 1970, as indústrias suíças mergulharam numa grande crise. Cerca de 800 fábricas foram à falência somente neste período. A indústria suíça não sobreviveria frente aos produtos eletrônicos produzidos em massa pelos japoneses, que rapidamente ganhavam mercado em todo o mundo. A Omega, por exemplo, foi à bancarrota em 1983.

Nicolas G. Hayek, presidente da Hayek Engineering, foi contratado para tentar reverter a situação das empresas suíças, a partir da elaboração de estratégias de desenvolvimento e marketing. Assim, foi realizada a fusão de renomadas fábricas, bem com a criação de um novo e acessível produto: o Swatch. O grupo de empresas criado por Hayek foi denominado SMH e, apenas 5 anos depois, já era a maior companhia fabricante de relógios do mundo.

O Swatch Group, como atualmente é denominado o SMH Group, engloba várias marcas, dentre as quais a Blancpain, Omega, Longines, Swatch e Tissot.

A fusão das empresas e a criação do Swatch foram medidas fundamentais para a manutenção das fábricas suíças. Atualmente, porém, todo o processo de fabricação dos relógios suíços é terceirizado, visando a diminuição de custos. As fábricas que construíam seus relógios peça por peça não mais existem, com raríssimas exceções.

O Swatch Irony Automatic é, sem dúvida alguma, o relógio suíço automático mais barato do mundo. Pode-se adquirir um por não mais do que 100 dólares. O acabamento do mesmo, evidentemente, é apenas razoável. O movimento não parece ter qualquer tipo de polimento, assim como as partes da caixa que não se encontram à mostra. O Swatch Irony Automatic, apesar disso, é uma obra primorosa de engenharia.

Relógios "esqueleto" também são bastante interessantes, pois é possível observar o funcionamento de todo o movimento, principalmente do mecanismo de escapamento.

Fotos do Swatch "Body and Soul" por Julien Allain; Chronoswiss Opus por Chronoswiss.

Fonte: http://relogiosmecanicos.vilabol.uol.com.br

Continuar
Carregando Carregando...